Seu navegador está desatualizado.

Para experimentar uma navegação mais interessante, recomendamos que você o atualize clicando em um dos links ao lado.
Todos são gratuitos e fáceis de instalar.

 
  • em vitruvius
    • em revistas
    • em jornal
  • \/
  •  

pesquisa

revistas

arquiteturismo ISSN 1982-9930

Castelo de São Jorge, Lisboa. Foto Victor Hugo Mori

sinopses

português
As fotos de Victor Hugo Mori das igrejas de Olinda PE evoca texto de Mário de Andrade escrito em 1929 e publicado em seu célebre livro “O turista aprendiz”.


como citar

ANDRADE, Mário de. Olinda, cheia de caráter. Fotos de Victor Hugo Mori. Arquiteturismo, São Paulo, ano 11, n. 122.01, Vitruvius, maio 2017 <http://mail.irmaosguerra.com/revistas/read/arquiteturismo/11.122/6534>.


Manhã no campo de Imbura (Latecoêre) passeio de avião biplano sobre Recife com filho Francisco do Hernani Braga. Maravilha de sensações novas. Almoço no Leite com José Pinto e vou a Olinda passear. Olinda, cheia de caráter, uma gostosura. Vou até o farol de bonde, depois subo e desço ladeiras, vendo becos, ruas, igrejas. A Sé, u’a merda exterior. Convento de São Francisco, maravilha de azulejos e pinturas. Quadros admiráveis de composição. Alguns mesmo como valor plástico nas figuras. Outros até como expressão psicológica dos rostos. Num corredor descubro azulejos num azul forte inda conservado o segredo na panorâmica de Delfo, e que é absolutamente diferente dos azulejos do Brasil, como desenho e como cor, maravilhosos. A sacristia em tudo magnífica. Entre os quadros dos caixotões do teto, umas naturezas-mortas curiosas, bastante retocadas às vezes possivelmente com elementos ajuntados posteriormente nos quadros (alguns), tudo lembrando pelo desenho, por certos processos de pintura (e menos pela composição) certas naturezas-mortas flamengas. Interessantíssimo. Também os entalhes da sacristia são muito bons. É mesmo talvez a sacristia mais completa, mais total como interesse, acabamento e composição que existe no Brasil, um monumento enfim. S. Bento é bem inferior. Imagens novas (aliás as velhas de S. Francisco pouco valiam também como valor plástico), o altar dum barroco frio, inteirinho doirado. No bar da praia, olhando pro mar, ao vento, José Pinto e eu tomamos gelados descansando. Volto pra Recife pras 18 horas partir com Ascenso e Alfredo Medeiros pro engenho Martinica de Renato Carneiro da Cunha, ouvir a Maria Joana que está lá com os patrões. Viagem deliciosa ida e volta a lua clara quase cheia. Estrada no geral ruim. Engenho magnífico como sede, confortável sem propriamente luxo, nem pretensão. Acho no jantar infelizmente pouco caráter. Depois Maria Joana canta envergonhada na frente dos patrões. Canta quase mal. Foi pena.

nota

NE – texto de 19 de fevereiro de 1929, publicado em: ANDRADE, Mário de. O turista aprendiz. São Paula, Livraria Duas Cidades, 1976, p. 368.

sobre o autor

Mário de Andrade (São Paulo, 1893-1945) literato e intelectual brasileiro, líder do movimento modernista paulista, autor de diversos livros, dentre eles “Macunaíma, o herói sem nenhum caráter”, publicado em 1928.

comentários

122.01 arquitetura turística
sinopses
como citar

idiomas

original: português

compartilhe

122

122.02 literatura

Cassandoca, a catadora da Mooca

Luís Antônio Jorge

122.03 paisagem construída

Flower Dome e Cloud Forest

Camila Piazza e Paula de Vincenzo Fidelis Belfort Mattos

122.04 viagem cultural

Está chegando a Festa do Divino!

Nádia Mendes de Moura

122.05 cultura popular

Do gênero na fala popular

Abilio Guerra

122.06 literatura

Com que roupa?

Abilio Guerra

jornal


© 2000–2017 Vitruvius
Todos os direitos reservados

As informações são sempre responsabilidade da fonte citada