Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

newspaper

news

Professor aposentado da FAU-USP, Benedito Lima de Toledo era um dos principais historiadores da evolução da cidade de São Paulo

Faleceu hoje, aos 85 anos, o arquiteto e urbanista Benedito Lima de Toledo. Autor do clássico São Paulo: três cidades em um século, Benedito Lima de Toledo foi um dos principais historiadores da evolução da cidade de São Paulo. O arquiteto estava internado no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo.

Formado pela FAU-USP em 1961, Lima de Toledo foi professor titular de História da Arquitetura da graduação e pós-graduação da faculdade, para a qual deixa como herança um acervo com cerca de 40 mil fotos, 25 mil slides e 6.500 livros. Ocupava a cadeira 39 da Academia Paulista de Letras.

Benedito Lima de Toledo foi bolsista da Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa (1968). Obteve especialização em Restauro e Conservação de Monumentos Arquitetônicos na FAU-SP (1974) e na École Nationale des Ponts et Chaussées, em Paris (1983), com patrocínio da Unesco.

Em São Paulo: três cidades em um século, Benedito Lima de Toledo mostrou como a capital paulista cresce e se modifica a uma velocidade tão grande que, de uma geração a outra, os jovens não conhecem arquitetonicamente a cidade onde viveram seu antepassados recentes. Além de artigos publicados em jornais e revistas, ele é autor de vários outros livros, destacando-se, além São Paulo: três cidades em um século, Álbum iconográfico da Avenida Paulista (1987), Anhangabaú (1989), Prestes Maia e as origens do urbanismo moderno em São Paulo (1996). Em 1981, publicou O Real corpo de Engenheiros na Capitania de São Paulo, destacando-se a obra do Brigadeiro João da Costa Ferreira, sua tese de doutoramento na FAU-USP.

Partiu de Benedito Lima de Toledo a ideia de realização de um concurso público para a revitalização do Vale do Anhangabaú, no centro de São Paulo, na década de 80. Na época, a Prefeitura apresentara projetos polêmicos para a remodelação da área e o arquiteto, em campanha que contou com a ajuda do jornalista Júlio Moreno, do Jornal da Tarde, acabou por dobrar a resistência para mudança de planos do prefeito Reinaldo de Barros e assessores. O concurso foi organizado pelo IAB-SP, saindo-se vencedora a proposta dos arquitetos e urbanistas Jorge Wilheim e Rosa Grena Kliass que transformou o vale em um bulevar de 43 mil metros quadrados, com o tráfego de automóveis ficando abaixo e recriando a área verde entre os viadutos do Chá e Santa Ifigênia.

Benedito Lima de Toledo foi um dos responsáveis, juntamente com o arquiteto Carlos Lemos, pelo levantamento dos edifícios de valor cultural do centro de São Paulo, em 1974, a pedido do engenheiro João Evangelista Leão, então titular da Coordenaria Geral do Município, ligada ao gabinete do prefeito. O estudo deu origem a uma lei de preservação da região, de 1975, a primeira do Patrimônio Histórico de São Paulo. Também foi um dos que mais batalhou pela preservação da Vila Itororó, no tradicional bairro do Bexiga, tendo realizado em 1974, em parceria com o arquiteto Décio Tozzi. um projeto de restauro para o conjunto formado por um palacete “surrealista” e dezenas de casinhas. O projeto foi parcialmente executado em 2014.

Outros livros e textos publicados com colaboração foram “São Paulo: Belle Époque”, com desenhos Diana Danon” (1974); “A imperial cidade de São Paulo vista por Militão”, no “Album comparativo da cidade de SãoPaulo, 1862- 1887” (1981); “São Paulo: registros 1899-1940”, com José A. V. Pontes, com fotos do Acervo Eletropaulo (1982); “Do séc. XVI ao início do séc. XIX: maneirismo, barroco e rococó”, em “História geral da arte no Brasil. São Paulo” (1983); “Frei Galvão: um arquiteto paulista”, em “Museu de Arte Sacra. Mosteiro da Luz” (1987); “Calixto e a iconografia paulistana”, em “Pinacoteca do Estado, São Paulo – Benedito Calixto: memória paulista” (1990); “O edifício na cidade: uma visão urbanística”, em “Museu Paulista: um monumento no Ipiranga” (1997); “A cidade de Santos: iconografia e história”, em “Revista USP, São Paulo. Engenho dos Erasmos” (1999) e ‘Robert Chester Smith e a arquitetura no Brasil”, em “Robert C. Smith (1912-1975). A investigação na História da Arte” (2000).

Benedito Lima de Toledo era detentor de prêmios e outras distinções, destacando-se entre outros: Prêmio Pero Vaz de Caminha, concedido pelo governo português (1969); Medalha de ouro da Prefeitura de São Bernardo do Campo, em reconhecimento aos estudos e levantamentos feitos sobre a área da Serra do Mar e respectivos monumentos (1975); Voto de reconhecimento e gratidão, aprovado por unanimidade pelos membros do Condephaat, pelos relevantes serviços prestados em prol da causa da preservação do patrimônio histórico e ambiental do Estado de São Paulo (1987); Medalha comemorativa Rodrigo Melo Franco de Andrade (50 anos do Sphan), por trabalhos atuantes na defesa de nossa memória e cultura (1987); Prêmio Clio de História da Arquitetura Urbana pelo livro “Álbum iconográfico da Avenida Paulista” – Academia Paulista de História/ SP (1989); Agraciado com o Colar do Centenário pela obra “Prestes Maia e as origens do urbanismo moderno em São Paulo”, selecionada como a melhor obra publicada no Estado de São Paulo, na Área de História. Concedido pelo Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo (1997).

O arquiteto era filiado à Associação Nacional de Pesquisadores em Artes Plásticas – Anpap ao Comitê Brasileiro de História da Arte – CBHA ao Comité Internacional dHistoire de lArt – CIHA da França; ao Internacional Council of Monuments and Sites – Icomos –da França e Brasil e à Sociedade Brasileira de Estudos do Século 18. Era também consultor “ad-hoc” das instituições Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – Capes/DF; Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – CNPQ/DF; Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo – Fapesp/SP

Nos últimos anos, vinha realizando vários trabalhos de peritagem e consultoria a instituições e órgãos governamentais, na área da arquitetura e em projetos de preservação, restauração e reconversão de bens culturais.

O velório ocorre a partir das 9 horas de hoje, dia 31, no cemitério Gethsemani. O sepultamento será às 16 horas.

<br />Foto divulgação  [Academia Paulista de Letras]


Foto divulgação [Academia Paulista de Letras]

Benedito Lima de Toledo falece aos 85 anos

source
CAU SP
São Paulo

share


© 2000–2019 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided